segunda-feira, novembro 28, 2011

Reitor da UERR exonera filha de magistrado e a nomeia para cargo de nível médio

Depois da denúncia de que o reitor da Universidade Federal do Estado de Roraima (UERR), Hamilton Gondim, nomeou indevidamente Inaê Meneses Barreto, filha do magistrado Helder Girão Barreto, para um cargo de nível superior, ela foi exonerada a pedido, conforme publicação no Dário Oficial do dia 22.11.11, na página 26, um dia depois da publicação da notícia neste blog.

A jovem foi exonerada do Cargo em Comissão de Natureza Superior CDS-I como chefe da Divisão de Programas e Projetos da UERR e, no mesmo decreto (veja abaixo), foi nomeada para o cargo em Comissão de Direção Intermediária CDI c omo I Chefe de Seção de Execução Orçamentária e Financeira.



Veja a portaria:



Universidade Estadual de Roraima

PORTARIA Nº 566 DE 22 DE NOVEMBRO DE 2011



O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE RORAIMA, no

uso das atribuições que lhe confere o Estatuto da UERR, em seu artigo

28, aprovado pelo Decreto nº 7.628-E, de 16 de janeiro de 2007, o

Decreto nº 1118-P, de 11 de abril de 2011, com base na Lei nº 581/2007

e suas alterações,

RESOLVE:

Art. 1º Exonerar, a pedido, a servidora Inaê Meneses Barreto, CPF:

527.196.502-34 – do Cargo em Comissão de Natureza Superior CDS-I,

Chefe da Divisão de Programas e Projetos da UERR.

Art. 2º Exonerar a servidora Izonete Maria de Araújo Azevedo, CPF:

285.312.212-34, do Cargo em Comissão de Direção Intermediária CDI

– I Chefe de Seção Execução Orçamentária e Financeira da UERR.

Art. 3° Nomear para os Cargos de Provimento em Comissão da

Universidade Estadual de Roraima, as servidoras a seguir relacionadas:

I- Izonete Maria de Araújo Azevedo, CPF: 285.312.212-34, para o

Cargo em Comissão de Natureza Superior CDS-I, Chefe da Divisão de

Programas e Projetos;

II- Inaê Meneses Barreto, CPF: 527.196.502-34, para o Cargo em

Comissão de Direção Intermediária CDI – I Chefe de Seção de Execução

Orçamentária e Financeira;

Art. 4º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.



PROF. JOSÉ HAMILTON GONDIM SILVA

Reitor



3 comentários:

  1. Anônimo11:27 AM

    Ué, eles não tinham inventado uma desculpa de que a menina tinha curso superior? Então pra quê exonerar do cargo de nível superior e nomear pra cargo de nível médio?
    E outra coisa, isso até pode ser legal, mas é imoral, afinal de contas, o pai dela é um juiz de direito responsável pelo julgamento de muitas causas que envolvem o empregador da filha. Parabéns Jessé, por mostrar que você é um JORNALISTA de verdade, com o compromisso com a verdade, doa a quem doer.

    ResponderExcluir
  2. Anônimo11:28 AM

    Gente, fiquei sabendo que quem estava fazendo a mudança de alguns móveis do conjunto dos executivos era a FERNANDA RIZZO, secretária da SETRABES. Ela fez reunião com o pessoal da SETRABES dizendo que estava entregando o cargo, pois a filha dela não merecia viver nesse clima de tensão que cerca os pais. Lembrando o o marido dela, o ítalo Regis Aguiar, é empreiteiro e ajudou o Anchieta a con$$$truir várias obra$$$ aqui no Estado. E lembrando que são todos muito amigos.
    Se até os amigos (ou seriam amigo$$$) mais próxmos estão jogando a toalha, é porque o seu Anchieta junior está mesmo consciente que vai ser cassado.
    Ela disse para o pessoal da SETRABES que não sabia como as coisas iam ficar, e era melhor que todo mundo arrumasse suas coisas.
    E como já está se preparando para deixar o governo de um jeito ou de outro, mandou retirar alguns móveis seus que estavam no conjunto dos executivos, já que tem uma casa mansão na Avenida principal do bairro River Park.
    Lembrando que até cinco anos atrás esse senhora e seu marido tinham um patrimônio de apenas um carro palio velho, e hoje, seu patrimonio e do marido aumentou estratosfericamente.

    ResponderExcluir
  3. Anônimo4:52 PM

    Isso é um absurso...mas parece o chamado nepotismo cruzado. O juiz federal nem deixa a filha mostrar competência, fica logo querendo ajeitar a vida da menina com carguinhos comissionados. Isso em vez de ajudar faz é prejudicar, tanto a filha, quanto a imagem do pai e da instituição que a empregou. Deixa a menina ralar como qualquer outro mortal...ou será que ele não acredita no potencial da filha????

    ResponderExcluir

Pedaladas e circo

Jessé Souza* Definitivamente, não dá mais para entender o Brasil depois das últimas decisões políticas e judiciais. A cassação da pre...