sábado, junho 13, 2015

COLUNA KANAIMÉ

MAIS UMA

A entrega da reforma de mais uma escola pública na Capital faz relembrar a situação em que o setor educacional foi deixada durante cinco anos, com o teto desabando em cima da cabeça dos estudantes. Construída entre os anos de 1999 e 2000, a Escola Estadual Carlo Casadio, localizada no bairro Cinturão Verde, zona Oeste de Boa Vista, está na lista das que precisaram ser reconstruídas.

Pela primeira vez aquela unidade por reparos na estrutura física. Esta é a quinta unidade de ensino da rede pública que recebe serviços de substituição de itens danificados, reparos na estrutura e outras melhorias. A solenidade de entrega à comunidade ocorreu na amanhã deste sábado, dia 13. As imagens falam por si só de como estava o prédio e de como ficou agora.


DEPLORÁVEL

A situação em que se encontrava a  unidade escolar não difere das demais que estão recebendo as obras e foi classificada pela própria comunidade escolar como “deplorável e de total abandono”. “Estudo na escola desde o ensino fundamental e sempre convivemos com problemas desde a estrutura física, onde circulavam ratos e baratas pelo forro, principalmente fezes de pombos, banheiros que nunca funcionavam Aas salas de aulas na grande maioria serviam para guardar entulhos e cadeiras quebradas. Já teve ocasião em que estudamos por dois bimestres duas turmas juntas, pois a sala de aula estava entupida de fezes de rato e mau cheiro”, relatou o aluno Robson Alencar.


ESTRUTURA

A Escola Carlo Casadio tem 13 salas de aula, uma sala de TV Escola, diretoria, secretaria, sala de professores, copa/cozinha, cantina, biblioteca, sala de leitura, laboratório de informática e quadra de esporte coberta. Os reparos contemplaram toda a parte elétrica e hidráulica, troca de luminárias, instalações das centrais de ar, pinturas em geral, e diversos reparos na estrutura física.

A unidade funciona nos três turnos e atende as modalidades de Ensino Fundamental, Médio e EJA (Educação de Jovens e Adultos). Ao todo, 1.054 alunos estão matriculados na unidade escolar. No quadro de servidores, dos 106 profissionais, sendo 80 professores.


OBRAS 

Desde o início do ano o governo estadual está revitalizado as escolas da rede pública. Até o momento, passaram por reparos as unidades Diva Alves de Lima, em Boa Vista; Albino Tavares, na zona rural de Boa Vista (Projeto de Assentamento Nova Amazônia) e José Aureliano, no Cantá. Duas empresas farão a manutenção permanente ao longo deste ano.


O desafio do atual governo é reconstruir os prédios das 380 escolas da rede estadual de ensino que ficaram cinco anos sem qualquer manutenção. A consequência disso foi a realidade que ainda se vê na Capital e interior: escolas caindo aos pedaços ou sem o mínimo de conforto para proporcionar um ensino de qualidade. 


Pedaladas e circo

Jessé Souza* Definitivamente, não dá mais para entender o Brasil depois das últimas decisões políticas e judiciais. A cassação da pre...