quarta-feira, junho 22, 2016

Gangue do Brasil


Embora seja pauta obrigatória em quase todos os veículos de comunicação do Brasil, muitas pessoas não têm noção do que é a Operação Lava Jato e da sua extensão, a qual investiga um dos maiores casos de corrupção generalizada que se tem notícia desde a chegada de Pedro Álvares Cabral (“um cascudo não faz mal”, diria na escola se fosse no tempo da minha infância).

O que a investigação aponta é que os políticos de todos os partidos e de todas as matizes usavam os cofres da Petrobras para ganhar dinheiro ilicitamente, seja para bancar suas campanhas eleitorais, seja para roubar na expressão mais popular a fim de ficar rico de forma desonesta. Um parêntese: ser rico não é pecado nem algo abominável, desde que seja de forma honesta.

Em outras palavras, saquearam o quanto puderam dos cofres da maior estatal brasileira e também se lambuzaram com os recursos de outras estatais, deixando o País completamente falido. E isso não ocorria somente lá em cima. Na verdade, o esquema mantido na Petrobras se repete também em todos os níveis de governo e suas estatais.

Os políticos montaram esquemas de roubar dinheiro nos municípios, nos estados e onde possa circular dinheiro público. A propinagem com recursos públicos tornou-se regra, uma instituição estabelecida pela elite política que comanda o país, pelos coronéis que sempre mandaram no Brasil.

Se os brasileiros reclamavam de guardas venezuelanos que cobram propina nas estradas, é porque eles não sabiam que, no Brasil, os propineiros são os políticos desonestos, que embolsam não alguns trocados, como os guardas corruptos da Venezuela, mas montanhas de dinheiros que deveriam ir parar nos hospitais, nas escolas, na segurança pública, na merenda escolar e em outros setores importantes, como asfaltamento de estradas.

Quando você estiver dirigindo em uma estrada ou rua qualquer e seu veículo bater em um buraco, saiba que ali tem não apenas um dedo, mas vários pescoços de políticos atolados na corrupção. Quando um paciente estiver sofrendo na fila de espera de um hospital, saiba que ali está a ação nefasta da corrupção de um ou de vários políticos, principalmente aqueles que passam na TV se passando de bom moço.

Foi montada uma gangue especializada em assaltar os cofres públicos, conforme vem revelando a Operação Lava Jato. Essa gangue também age nos municípios e no Estado. Mas um fato é certo: essa gente só está no poder porque é o brasileiro que elege os políticos.

Então, já sabemos por onde começar a faxina geral que o Brasil precisa, ou seja, nas urnas. Aos desavisados que acreditaram que impeachment seria a solução, ainda há tempo de rever seus conceitos...

P.S.: Artigo publicado originalmente na Folha de Boa Vista

Pedaladas e circo

Jessé Souza* Definitivamente, não dá mais para entender o Brasil depois das últimas decisões políticas e judiciais. A cassação da pre...